LilianreinhardtArte.prosaeverso.net

Sensíveis Cordas!

Textos


YOGA POÉTICO/HAIKAIS TUNISIANOS


De   Youssef Rzouga 
       em interface com Lílian Reinhardt

 
                    
 
 
YOGALA OU O LIVRO DE YOGA POÉTICO

Yogala é uma outra asa de um vôo poético yoga conforme emerge do espírito do terceiro milênio, é uma forma concisa, concentrada e livre de expressão poética como a própria atualidade exige.
Cada YOGAMA é como um exercício de absorção poética cujo tema abrangente pode ser objeto dos mais variados fenômenos psíquicos, sentimentais, como stress, angústia, frustração, alienação, fobia, etc.


OUTRO VOO, OUTRA ASA YOGA, UM CÉU AZUL!

YOGAMA 1 /YOUREZ
Só de voar  só
ficas deprimida
eu que  em ti estou
exijo-te
uma provável Yogala
isto é
uma experimentação
só outro vôo
outra asa Yoga
e um céu azul



Yogama 1/Lilian
O azul inspirando
  com  tuas  asas aladas
   inalam-se  horizontes
 
 
 
 
 
YOGAMA 2/YOUREZ

Só de olhar pela janela
ficas deprimida
eu que em ti  estou
vejo o universo todo
para não ver nada
para não ver ninguém



 
Yogama 2/Lilian
 
Não aprisionar
é  sempre além reflorescer
no verso  palheta
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



 
YOGAMA 3/YOUREZ

 Apenas
 de pensar no futuro
ficas deprimida
eu que em ti sou
bebo o suco da laranja
para esquecer o sabor do Saara


Yogama 3/lilian
 
 
O sumo da fonte
sacia o sabor salgado
da areia amarga
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 4/YOUREZ



 
Só por viveres
em lugar desagradável
ficas deprimida
Eu que em ti estou
sonho em viajar
pelo mundo inteiro



Yogama 4/Lilian
É preciso acender
além das sombras da cidade
o sol da aldeia
 
 
 
 
 
YOGAMA 5/YOUREZ

de ouvir ruídos
ficas deprimida
eu que em sou em ti
estou dentro de ti
não ouço nada



 
Yogama 5/Lilian
 Na florada acústica
os  teus  campos de silêncios
  infligem-me  agonias
 
  
 
 
 
YOGAMA 6/YOUREZ

Para alimentar a alma
basta um pequeno naco
de silencio



Yogama 6/Lilian
 
 
Colher da aurora
apenas sua poção de luz
acalanta o verbo
 
 

YOGAMA 7/YOUREZ

Faça-me mimos
enquanto acabo
de apagar a montanha



 
Yogama 7/Lilian
Fazer-se em  pétalas
esparge o aroma da floresta
sobre a pedra cansada
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 8/YOUREZ
Este show
me deixa nervoso
oculto-me
no fundo de teus olhos



 
 Yogama 8/Lilian
No fundo do lago
no silencio das raízes
sou tua seiva e abrigo
 
 
 
 
YOGAMA 9/YOUREZ

Enquanto uma criança sorri
este público histérico
polui os pulmões do rio

Yogama 9/Lilian

O Colibri beija
e a avalanche arranca as árvores
da floresta cega
 
 
 
 
 
YOGAMA 10/YOUREZ
 
Um amor
um milagre
e o universo todo
floresce



 
 
 
Yogama 10/Lilian
Um eco no vazio
e  do incontido verbo
há canção no cântaro
 
 
 

YOGAMA 11/YOUREZ

Meu pai
me esbofeteou
minha sorriu-me
fiquei fora do ar
completamente embriagado
de seu beijo saboroso e quente



 
Yogama 11/Lilian
O vento bateu-me
 com as  crinas do tufão
 e amamentou-me   a uva
 
 
 
 
 
YOGAMA 12/YOUREZ

Esta criança
já derrubou dois dentinhos
agora
pode morder ternamente
os seios de sua mãe
os dedos de seu pai
e até rolar a esfera do mundo
banhada em chocolate



 
 
Yogama 12/Lilian
 
Hastes sob o sol
os olhos deste menino 

giram o caracol
 
 
 
YOGAMA 13/YOUREZ



 
 
Distrai-me ouvir
o silencio



 
Yogama 13/Lilian
 Silencioso 
esse bosque alegra o chilreio
desta água insólita
 
Dá-me deste silencio
inala minhas vestes
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 14/YOUREZ

O silencio
cujo teto é azul celeste
é a cidade sagrada
do coração




 Yogama 14
 A pedra é salgada
onde esses céus são verdes
 e gorjeia este rio
 
 
 
YOGAMA 15/YOUREZ

Fala mais baixo
não te ouço



 
 
yogama 15/Lilian
Alcança meu céu
como o tom das tuas nuvens
alcançam meus riachos
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 16/YOUREZ

Estás certa
de que sou eu?
Tens o código
para entrar em minha casa?




 
 
Yogama 16/Lilian
 
Murmúrios da  fonte
não confundem o peregrino
no chilrear das águas
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 17/YOUREZ

Não entendo nada
tudo é muito claro



Yogama 17/Lilian
Ofusca esta prancha
a nudez desse teu branco
neste claro-escuro
 
 
 
 

YOGAMA 18/YOUREZ

Longe
é exatamente o amor
que estou procurando


 
 
 
Yogama 18/Lilian
 
 Voar a  imensidão
 traz a montanha à mesa
 com sua colméia
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 19/YOUREZ

Não posso deixar
este olhar cheio de luz



 
 Yogama 19/Lilian


Carrego o  archote
e esses  sais do deserto
escrevem na escuridão
 
 
 
 
YOGAMA 20/YOUREZ

Os polvos soltam um jato
de tinta
para defender-se
Eu preciso
de uma infusão de tílias
para relaxar-me



 
 
Yogama 20/Lilian
 
 
Nas cordas do corpo
tocar as raízes das águas
exala o mistério
 

quando se abrem os tentáculos
aos olores   da alma
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 21/YOUREZ

Eu uso muito os teus olhos
obrigado



Yogama 21/Lilian
 
Revoar com tuas pálpebras
 esses olhos - cordilheiras
acendem meus   lagos
 
 
 
 

YOGAMA 22/YOUREZ
Este coração azul
se abre em mares

 
 Yogama 22/Lilian
 
Esta tua  aurora
pulsa a fonte  das nascentes
expande-me  os  oceanos
 
 
YOGAMA 23/YOUREZ
Acalma-te
esta asa terna e imensa
nos protege do vento



 
   Yogama 23/Lilian
Guardar-se no útero
da abóboda celeste
relaxa o remoinho
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 24/YOUREZ
Shiii!
vai
despertar
a cama
a almofada
o colchão

 
 
 Yogama 24/Lilian


Acordar nascentes
arrulha as asas da casa
o sonho e o travesseiro
 
 
 
 
 
YOGAMA 25/YOUREZ

Um se reflete
no espelho do outro
e ainda assim a alma fica livre
para te refletir



Yogama 25/Lilian
 
 
A beira do lago
os nossos   olhos refletidos
emergem  teu Lótus



 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 26/YOUREZ

Depois de percorrer
a metade do caminho
preciso muito de descanso
Não te apóies assim
contra meu coração
Cuidado frágil!



 
 
 
 
Yogama 26/Lilian

À porta o   cajado
e  o silencio das vestimentas
guardam o teu cristal
 
 
 
 
 
YOGALA: COMO ADOTAR A POSTURA DA LUZ

YOGAMA 27/YOUREZ

 Este coração
sempre pleno de luz
se abre aos seis continentes
por favor entra
a luz é insuportável

sem ti


Yogama 27/Lilian
A rosa é florescida
semeadas  foram as estrelas
A ti este meu  cálice
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 28/YOUREZ

O limão
tem um ácido sabor
um aroma muito especial
tem a nossa amizade




Yogama 28/Lilian
 
 
Amargo é   verde
que se faz maduro pomo
na  colheita fiel
 
 
 
YOGAMA 29/YOUREZ

Que linda estás!
Vais à festa?
Ficarei sozinho
contigo




Yogama 29/Lilian
 
A beleza é luz
Clarões  na noite imensa
na concha de   ti
 
 
 
 
YOGAMA 30/YOUREZ

Este ruído
vem da casa ao lado
qual o caminho da tua?




 
 
 
Yogama 30/Lilian
Tambores vizinhos
  abrem trincheiras no vazio
acende tua candeia
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 31/YOUREZ

Este olhar
que parece-me tão triste
emite tanto brilho



 
 
Yogama 31/Lilian
 A  candeia   acesa
 na trilha da neblina
goteja    estrelas
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGALA:  COMO REGAR COM LÁGRIMAS

YOGAMA 32/YOUREZ

Chove
preciso de teu olhar
para secar-me



 
Yogama 32/Lilian
Do céus as tuas lágrimas
florescem os vinhedos
aspiram-te o azul
 
 
 
YOGAMA 33/YOUREZ

Se tens frio
cobre-te
com meu olhar

 
 
 
 Yogama 33/Lilian


Na escuridão
flamejante é  a    candeia
aconchegando o  altar
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 34/YOUREZ



Esta tua imensa lágrima
descoloriu a minha parede



 
 
 
Yogama 34/Lilian
 
Este teu oceano
fez-se arco na minha íris
tingiu-me  a escuridão
 
 
 
 
 
 

YOGAMA 35/YOUREZ

Nem sequer chorou
está distante
em outro lugar
fora de si
 para voltar
às raízes                                  

irrompeu em pranto



Yogama 35/Lilian
Inalar silêncios
espagir cinzas no éter
reacende as chuvas
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 36/YOUREZ

Inclinei-me demais
o pássaro pousou no galho
e se pôs a bicar o coração
sem piedade



Yogama 36/Lilian
Descer muito os   véus
sob a ampulheta  do peso
expira  a leveza
 
 

YOGAMA 37/YOUREZ

Ela não está
cuido de seu perfume ausente

  
 
 
 
Yogama 37/Lilian
Guardo-te na   essencia
No mistério deste verso
Inalo o teu cântaro
 
 
YOGAMA 38/YOUREZ
As pérolas
se gestam no interior
das ostras
no fundo do coração
o teu nome se faz
árvore



 
Yogama 38/Lilian
 
 
Inalar ao  fundo
da concha viva as pedras
Revigora  raízes
 
 
 
 



 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 39/YOUREZ

No momento
estou ausente
mas ainda assim
não me atrevo
a ignorar tua presença torrencial
Viste o relâmpago?
é minha alma fugaz
!


 
Yogama 39/Lilian
Cortina fechada
expira a luz da ribalta
Pirilampo inala
 
 
 

YOGAMA 40/YOUREZ

No momento não consigo
ver o sol
te espero lá
no fundo da canção
temos o tempo todo
para dançar juntos
à beira da estação
a canção de fundo




Yogama 40/Lilian
À beira do lago
sob o canto das folhagens
Espreita este cisne
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 41/YOUREZ

Da estatua da liberdade
o pássaro
oferece
sua contra senha
e sua asa imensa



 
Yogama 41/Lilian
No cume da montanha
abrem-se as asas da pedra
levita o teu peso
 
 
YOGAMA 42/YOUREZ

O verniz do coração
está gasto
o rio recicla tudo
as chaves
os sentimentos
as trilhas da felicidade
que levam ao futuro
mas qual é o caminho mais curto?



Yogama 42/Lilian
Aspirar as  raízes
seguir a trilha da vertente
refloresce as águas
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 43/YOUREZ

Esta gazela que gira ao redor do sol
que prende o cabelo
com uma fita de borracha
e todos os dias
faz o mesmo percurso
entre casa e escritório
quer ser pássaro
para diminuir as distancias do universo
em dó ré mi fá sol



 Yogama 43/Lilian
Dança essa menina
aos  olhos deste   girassol
os degraus da escada
 

YOGAMA 44/YOUREZ

Estou louco por ti
estou ébrio de ti
sou como um cego
Leva-me à minha floresta



 Yogama 44/Lilian
Este cio de    luzes
Embriaga minhas arestas
destila-me a  raiz


 
 
YOGAMA 45/YOUREZ

Desliga a luz
tua alma ilumina todo o cenário

 
Apaga as cortinas
a aurora incendiou a noite
 o vazio acendeu-se
 
 
 
 
YOGAMA 46/YOUREZ

Ainda
cometo demasiadas falhas
ao conjugar o verbo
mas estou bem comigo mesmo
e atrevo-me à conjugação
do querer presente



 
 
Yogama 46/Lilian
Esse ser expatriado
é  atrevida e conjurada
escrita da   pele
 
 
 
 



 
 
YOGAMA 47/YOUREZ

Tens
que concentrar-te
nas flores selvagens
Eu gosto muito do mel
de abelhas livres
de qualquer ouro de anel



 
Yogama 47
Flores de arremedo
brilham sob a  superfície
eu guardo meu  pólen
 
 
YOGAMA 48

Teu rosto sorridente
é a oitava maravilha do mundo



Yogama 48/Lilian
Esta estrela
Renasceu em minha galáxia
Com seu teclado
 
YOGAMA 49/YOUREZ

A lua reflete-se no mar
o mar  reflete-se em seu coração



Yogama 49/Lilian
Sincronia no espelho
Reflete o universo as ondas
pulsação  nas águas
 
 
YOGAMA 50/YOUREZ

Preciso de teus passos
para caminhar em teu ritmo



 
Yogama 50/Lilian
Sopram as tuas nuvens
eu  preciso dos teus versos
neste caminho inverso
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 51/YOUREZ

Esta flor
desprende um perfume muito
agradável
entre Deus e o diabo
um dedal
o sol
gira em torno o ícone
mais elevado



Yogama 51/Lilian
Inclinar  o abismo
para degustar do perfume
cinzela a espádua
 
 



 
 
YOGAMA 52/YOUREZ

Uma cama dobrável
ao lado direito
a asa está ociosa


Yogama 52/Lilian
Estende teus ramos
preciso deste teu ninho
em mim  passarinho
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 53/YOUREZ

Eu te amo sol
com teus  raios de luz saltando

Yogama 53/Lilian

Transborda o jarro
 te quero fruto de mim
verso teu  na  carne
 
 
 
 
YOGAMA 54/YOUREZ

Desencadeia a
tempestade
te quero de novo
para desviar um rio



 
 Yogama 54/Lilian
Atrela-me em ti
na tormenta da  travessia
conjuga –me até o  céu
 



 
YOGAMA 55/YOUREZ

Sob as pernas em compasso
a doce mulher e o óvni
voam baixo
alguma coisa se move
e floresce
É o regresso ao útero




 
Yogama 55/Lilian
 
Plantar   sementes
acender  candeias na carne
florescem  as conchas
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGALA AS RUAS SE ILUMINARAM

YOGAMA 56/YOUREZ

Este poema
escapou-me
e se pôs a correr
um bandido
tentou afogá-lo
mas em vão
de repente
as ruas se iluminaram
e em algum lugar
irrompeu um incêndio grande
e dia após dia
lentamente
o fogo se extinguiu
por si só



 
 
Yogama 56
Vazou a fumaça
Pelo olho  da fechadura
Apagou-se a retina
 
 
 
 
 

YOGAMA 57/YOUREZ

Um pássaro morto
o assassino
empreendeu fuga
só uma árvore
logrou captar
desde o princípio
sua intenção criminosa
mas não pode detê-lo



 
 
YOGAMA 57/Lilian
 Pedra na vidraça
estilhaça o sonho
mas não a chuva


 
 
YOGAMA 58/YOUREZ

Quando um pássaro
se põe a cantar
a árvore tem calafrios
e floresce

Yogama 58

Quanto te ouço
Sangram os meus   lírios
 Teus ecos no cântaro
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 59/YOUREZ

Olá
farei
como você gosta
este mundo
é meu
se o queres
lhe dou
para toda a vida
Já leu o periódico de hoje?
dia de muitos
véspera de nada
mas sem nós
esta vida
não vale nada




YOGAMA 59/Lilian
Toma esta lua
a noite escreveu nela
preciso do  lago
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 60/YOUREZ

Um dilúvio
esta quase a romper a vedação
isto se vê ao longe
Desde Tunez
vejo-te
navegando pela Rede
a água sobe até em cima
coragem!
E não fique de joelhos



Yogama 60/Lilian
 
Afogada até raiz
irrompe esta árvore
levitam os seixos
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 61/YOUREZ

A alegria da vida
obtém-se
misturando o branco e o vermelho
O negro não te fica bem


 Yogama 61
Aspirar   teus olhos
da paisagem esfumada
Entinta a manhã
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 62/YOUREZ

Entre uma realidade e uma canção
uma nuvem
tapa o sol
e eu não consigo vê-lo
Mas a imaginação traz o sol




Yogama 62/Lilian
Na coxia dos véus
dançam as ilusões sopradas
sobre a realidade
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 63/YOUREZ

Clique no botão direito
este peixe colorido
parece triste
em seu aquário de cristal

 
 
Yogama 63/Lilian
Acenda  esta  luz
a torre está escura
danço no teu   éter
 
 
 

YOGAMA 64

Sonhar com algo
sentar-se sobre uma folha branca
com as pernas cruzadas
este exercício
é realmente difícil



 
Yogama 64/Lilian
Experimentar
somente experimentar
inalando o verso
 
 
 
YOGAMA 65/YOUREZ

Dá a mão
falta-te um sexto dedo


Yogama 65
Me segura firme
amorosa  é esta alma
Isto é canção
 
 
 
 
 
YOGAMA 66/Lilian



Dá a mão
e depois
 o coração
vamos ver se a luz acende



 
 
Yogama 66
 
Não tenhas medo
do código deste adágio
a  via  é  coração
 

YOGAMA 67/YOUREZ

O corvo já não
vem mais me ver
desde que eu te soube

 
 
Yogama 67/Lilian
Um manto de luz
e floresce  a noite vazia
desde que me saibas
 
 
 
 
YOGAMA 68/YOUREZ

Sim tenho a mesma idade
uma vez que tenhas  esquecido
de parar o rio



 
Yogama 68/Lilian
Não esqueço a canção
acompanho-te ao deserto
perdi   as ampulhetas


 
 
 
 
 
 
 
 
YOGAMA 69/YOUREZ

Para onde leva este rio?
ao teu oceano azul



Yogama 69/Lilian
 
Onde tocam as cordas
nos mares de teu corpo
  o eco do meu rio
 
 
 
 
YOGAMA 70/YOUREZ

Ajuda-me
a ser uma ave especial
em teu peito



 
 
 
YOGAMA 70/Lilian
Amo-te sempre
no meu  peito a tua  canção
Ave de tua voz
 
 
 
 

YOGAMA 71/YOUREZ

.............................................
...............................................
............................................


 
TE AMO!


 
 
 
 
 
Tradução do espanhol os haicais tunisianos de Youssef Rzouga por
Lilian Reinhardt












Lilian Reinhardt
Enviado por Lilian Reinhardt em 27/01/2011
Alterado em 07/06/2013


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras