LilianreinhardtArt.prosaeverso.net

Sensíveis Cordas!

Textos


Pintura/LR
                  Simplesmente Zocha/Sacola de pano
                
Zocha à mesa corta a broa de trigo e gema, a caneca de café de porcelana simples comprada no armazém do Zé da Vanda polaca,fumega com sua asa quebrada sobre a toalha bordada de ponto cruz; um singelo maço de dálias sobre o guarda comida povoa os olhos; a blusa branca de crivos secando no varal para a missa de domingo voeja...

No terreiro o carroção cansado guarda a noite e nos roldões dos pés as notações da pauta da caminhada longa na estrada .Ele viajou a noite inteira com Zocha e Brontcha carregado de hortaliças e agora descansa silencioso no terreiro, próximo a tulha que guarda a ceifa da ultima colheita, as ferramentas ainda exaustas, velado pelos espigais verdejantes da cortina do milharal a abraçar-lhe as vistas.

Na sacola de pano que Brontcha sua irmã lhe fez com beiradas de crochê Zocha sempre leva consigo algumas palavras/ sementes colhidas dos canteiros do próprio jardim, como contas de um terço para oferecer à Virgem de Chestokova, pois as viagens provocam sempre ventos, perdas e são perigosas, a prudência guarda óleo na lamparina, assim, ela leva, também, num alvejado pano de algodão branco, uma broa de milho e gemas e uma caneca esmaltada.

... sempre se tem muita fome e sede , se o senhor não me entendeu ouve ......ouve... ouve comigo... os sons da existência das coisas!..."
Lilian Reinhardt
Enviado por Lilian Reinhardt em 29/11/2018
Alterado em 30/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras