LilianreinhardtArt.prosaeverso.net

Sensíveis Cordas!

Textos


  A viagem de retorno é sempre um mistério que dói. Esgarçar as teias da neblina e ouvir o estrépito dos cincerros  dos cavalos da charrete do  padeiro chegando é hora de levantar. O dia anuncia-se. Ele deixa os pães d' água na sacola de pano pendurada do lado da porta. O bangalô creme com janelas de beiraiss cinzas pinta a memória. É um tempo sempre na lousa. Onde quer que se vira a escrita acompanha, os livros o vento move as páginas. Alfabeto metafísico,  metamorfose sobre a teoria do conhecimento.Uma forma de se reconhecer o mundo nunca perdido pode ser estar sempre nele e com ele.O leiteiro deixa a garrafa pequenina de leite à porta. A realidade se faz de pequenas coisas. Ouvindo o cincerros do cavalo do padeiro, estremeço a lembrar histórias de cavalos. O tratador de cavalos do vizinho vilão que queria tomar a pequena propriedade das irmãs insólitas e que foi testemunhar a favor dos hediondos atos do patrão, morreu pouco tempo depois. Falso trotear de cavalos na avenida frente à praça  o vento carrega para longe. Já é longe o tempo dos padeiros com suas charretes de pães e cukas e paes doce a entregar de porta em porta. Ouvir-se é um lamento, e um chamado. 
Lilian Reinhardt
Enviado por Lilian Reinhardt em 25/11/2018
Alterado em 25/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras