LilianreinhardtArte.prosaeverso.net

Sensíveis Cordas!

Áudios

Oleiro à Beira d'Água/edição 2017
Data: 16/08/2017
Créditos:
Poema/ Oleiro à Beira d'Água
Autoria e recitação /Lilian Reinhardt
Gravação/JLSAcústica/Curitiba/PR
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Oleiro à Beira d'Água


E ele segurando entre as suas
as minhas mãos, assim me dizia:-
...para o Oleiro a sua vida é o barro
e o barro é a sua vida! A argila é a
massa do mundo e o mundo uma
grande massa de argila. Com ela,
e com suas mãos é possível moldar
as formas, sentir a textura dos grãos,
abrir e rasgar a pedra,
percorrer o mistério dos relevos,
romper arestas, singrar topografias...
ouvir o canto profundo dos oceanos,
alcançar pelo degredo o cume das montanhas,
caminhar com o coração
pela escuridão dos vales,
e assim galgar os ciclones da alma.
O seu olhar nunca se congelará
porque as mãos do Oleiro dançam
sobre a massa que modela o informe
e o silencio é sempre sentinela
à ausculturar o murmurio sibiloso
do regato e,
nesta compulsão da argila e sua escrita,
mesmo que as sombras cubram o sol
ainda assim guardará
todo o o universo refletido!

 
Enviado por Lilian Reinhardt em 02/07/2014

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras